A ministra Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, deu 48 horas, a partir da noite de segunda-feira (24), para que o presidente do Banco Central preste informações sobre o lançamento da nota de R$ 200.

De acordo com a matéria publicada no site Uol, o pedido é referente à ação proposta pelos partidos Rede, PSB e Podemos, contrários à cédula, na Corte máxima brasileira. As siglas sustentam que não foram apresentadas justificativas suficientes, nem estudos de impacto pelo BC que justifiquem o lançamento da nota.

Além disso, os partidos afirmam que “a produção e circulação da nova cédula de R$ 200 causa grave ameaça ao combate à criminalidade, violando o direito fundamental à segurança”.

A ADPF (Ação por Descumprimento de Preceito Fundamental) foi proposta após a divulgação de nota pública por dez organizações anticorrupção, como Instituto Não Aceito Corrupção, Transparência Partidária, Transparência Brasil e Instituto Ethos, que também questionaram a criação da nota.

Se o prazo não for atendido, a ministra apreciará o pedido de liminar para barrar a nova cédula.