Uma mudança curiosa que tem intrigado alguns economistas é perceber como a pandemia fez o brasileiro se preocupar mais com finanças pessoais. Pois é! Desde o início da crise do novo coronavírus, a população tem apresentado hábitos financeiros mais saudáveis, como comer menos em deliverys de pizzas em Rappi, o que colabora com a redução dos danos causados em 2020 e indica um 2021 que seja um pouco mais saudável.
 
Para se ter uma noção, os brasileiros depositaram na Poupança em 2020 ao redor de 215,36 bilhões de reais. Só em abril deste ano, foram R$30,45 bilhões, um recorde histórico. Curiosamente, foi justamente o primeiro mês "de verdade" da pandemia e ainda antes do auxílio emergencial ser pago, o que mostra que a ação foi realmente pensada para se proteger de uma crise desconhecida.
 
Mas o que será que esses novos hábitos querem dizer? Como a pandemia fez o brasileiro se preocupar mais com as finanças pessoais? É o que veremos a seguir. Portanto, siga a leitura do artigo abaixo!

Como a pandemia fez o brasileiro se preocupar mais com as finanças pessoais

Medo do desconhecido

Você se lembra como era em março e abril deste ano? Nós não conhecíamos o coronavírus direito (ainda não o conhecemos, mas já sabemos um pouco mais sobre ele) e ninguém conseguia prever direito os efeitos da pandemia no país. O que se sabia era que a situação não teria uma solução fácil e, por mais que se esperasse que tudo fosse se resolver em breve, o desconhecido ainda assustava.
 
O medo do desconhecido é um dos principais motivadores para ações conservadoras e de proteção. Está no nosso instinto: se não sabemos o que vem por aí, nosso inconsciente diz para nos protegermos e termos flexibilidade para agir.
Por isso, o medo do desconhecido estimulou as pessoas a pouparem mais dinheiro e se protegerem para o que acabou sendo um longo período de crise.

Cenário hostil

Quando a bomba do novo coronavírus explodiu, o resultado foi devastador. A Bolsa de Valores caiu tanto que teve vários Circuit Breakers seguidos. O desemprego disparou. Mais de 700 mil empresas foram obrigadas a fechar.
Toda essa hostilidade de repente levou as pessoas a adotarem ações mais cautelosas. Em vez de consumir o dinheiro comprando um novo carro, comador ou celular, o mais prudente foi guardar na Poupança para um cenário futuro desconhecido.
 
Conheça algumas vagas de emprego.

Mais conhecimento liberado

Um elemento que ajudou os brasileiros a adotar práticas financeiras mais saudáveis foi o fato de que, hoje, há muito mais conhecimento sobre o assunto do que havia anteriormente.
 
Na verdade, não é nada difícil fazer uma busca no Google ou no YouTube e encontrar dezenas de artigos, vídeos e infográficos explicando como reduzir custos no dia a dia, como investir melhor seu dinheiro, de que forma se proteger e muito mais.
 
Por causa disso, houve mais insumos intelectuais para que os brasileiros de todas as idades, gêneros e backgrounds pudessem cuidar melhor do dinheiro durante a pandemia, que é a maior crise do Século XXI até o momento.
 
Agora que você já entendeu como a pandemia fez o brasileiro se preocupar mais com as finanças pessoais, é hora de você mesmo colocar em prática algumas das ações mencionadas. É claro que poupar dinheiro é positivo, mas colocá-lo na Poupança, apesar de ser uma ideia de bom coração, não é matematicamente viável, pois a inflação renda mais do que ela. Portanto, é importante conhecer alguns investimentos do mercado financeiro capazes de superar a inflação.
 
E aí, o que achou do conteúdo? Deixe um comentário abaixo dizendo como a pandemia mudou a sua vida financeira!