Com o adiamento das eleições municipais para o mês de novembro por conta da pandemia de Covid-19, as convenções partidárias foram adiadas para 31 de agosto, com prazo até 16 de setembro.
 
É nas convenções que os partidos escolhem seus candidatos a prefeito e vereador, além de coligações majoritárias e definição dos critérios para distribuição de recursos do fundo eleitoral. Por conta do distanciamento social imposto para evitar a disseminação do novo coronavírus, as legendas estão buscando soluções digitais para realizar suas reuniões.
 
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou, em junho, a realização das convenções por meio virtual.
As convenções digitais têm o objetivo de evitar aglomerações, preservar a saúde dos filiados e, ao mesmo tempo, garantir o pleno cumprimento do processo democrático.
 
Os partidos que estão se adequando internamente para as convenções virtuais estão saindo na frente, em Belmonte os dois grupos político ainda não se pronunciaram como acontecerar suas convecções.
 
As convenções não poderão ser realizadas em bens públicos, com exceção das sedes das casas legislativas, Senado, Câmara, Assembléia Legislativa ou Câmaras Municipais, além de escolas públicas.É preciso lembrar aos nossos presidentes partidários que uma convenção partidária mal feita, além dos problemas políticos que pode acarretar, possibilita, juridicamente, a anulação de seus atos.